Cadeiras

terça-feira, 11 de outubro de 2016

Cadeira n. 25 - Alberto Paco

Patrono da Cadeira n. 25 - Galdino Andrade

Agostinho Alberto Paco nasceu em Vilarinho dos Galegos, distrito de Morgadouro, na Província de Trás-os-Montes, em Portugal, no dia 26 de janeiro de 1936. 

Começou a tomar gosto pela escrita na na aldeia de Lagoaça, entre os onze e doze anos, antes de ir para a cidade de Porto, onde se formou em Contabilidade. Com vinte e dois anos chegou no Brasil para ficar residindo em caráter permanente. Fixou residência em São Paulo, capital, no ano de 1958 onde entrou a serviço de grande empresa multinacional no setor de contabilidade. Lá publicavam um jornal mensal com a tiragem de trinta mil unidades distribuídas pelos funcionários das diversas filiais espalhadas pelo Brasil. Um dos editores, vendo que gostava de leitura porque nas horas vagas estava sempre com algum livro em mãos, convidou-o a participar do jornal com algum artigo. Escreveu uma poesia que foi publicada e daí por diante, durante os dois anos que permaneceu na empresa sempre era publicado algum trabalho de sua autoria.

Permaneceu até o ano de 1995 quando se transferiu para a cidade de Maringá/PR. 

Entre 1958 e 1959 escreveu seu primeiro romance, que só em novembro de 2001 foi lançado, intitulado “O HOMEM DO RIO”. Por conta do lançamento desse livro, foi convidado a ingressar na Academia de Letras de Maringá que então estava com cinco anos de existência. Em 07 de setembro de 2002, assumiu a cadeira de número 23. 

Desde a posse escreveu mais oito livros sendo um de contos, um de poesias e seis romances. Além de membro da ALM onde ocupa o cargo de Tesoureiro é Presidente da UBT (União Brasileira de Trovadores)/ Seção Maringá e Vice-Presidente Estadual da UBT, membro do Elos Clube Maringá.

Recebeu diversos prêmios em Concursos de Trovas promovidos pela União Brasileira dos Trovadores, tanto em lírico/filosóficas como humorísticas.

No livro de contos “Focos de Fogo”, Alberto Paco conseguiu reunir diversas histórias de lugares, famílias e épocas diferentes, mas que por algum motivo envolvem esse elemento tão indispensável na vida dos seres humanos e com tantos significados e utilidades: o fogo. Os leitores de “Focos de fogo” irão vivenciar momentos de alegria, medo, coragem, aflição, amor e muitos outros sentimentos que constam em cada um de seus contos.

Suas histórias são fictícias. Entretanto pesquisa com muito cuidado os lugares a que se refere para evitar que algum leitor que porventura conheça esses lugares o conteste. As pesquisas são feitas geralmente na internet ou em enciclopédias em que as informações são mais antigas.

Outras obras do autor:

O Homem do rio (romance); No coração do vulcão (romance e aventura); Caminhos (poesias); Presídio feminino (romance policial); Conjugando o verbo trair (romance); As amantes de Carolino (romance); Mãe Solteira (romance)

Nenhum comentário:

Postar um comentário